quarta-feira, 16 de outubro de 2013

ADRA defende intensificação dos programas de alfabetização da mulher rural


Os programas de alfabetização da mulher rural devem ser intensificados para promover a sua inserção do mercado de trabalho e contribuir no crescimento das comunidades em que estão inseridas.

Este ponto de vista foi advogado pela directora da organização não governamental angolana Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA) na província do Huambo, Maria Lassaleti, quando falava no acto provincial alusivo ao Dia Internacional da Mulher Rural, que hoje se Assinala.

No evento decorrido na comuna do Cuima, município da Cáala, a responsável considerou fundamental que as mulheres rurais aprendam a ler e a escrever para, de forma inteligente, contribuam no combate à fome e à pobreza.

A mulher rural desempenha um papel importante na sociedade e está muito dedicada à agricultura familiar, onde a planificação da produção é importante”, afirmou.

Por isso, sublinhou que para melhor planificação e organização rural é necessário o enquadramento da mulher rural na escola.

 Na sua óptica, esta franja da sociedade deve começar a aprender a ser autónoma, sobretudo, na definição dos seus projectos para melhorar a condição de vida.

Maria Lassalet exortou os agentes comunitários a criarem associações cívicas, camponesas e cooperativas agrícolas para maior organização e celeridade das solicitações de crédito bancários.

in ANGOP de 16.10.2013

Sem comentários:

Publicar um comentário