segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Produção industrial substitui a artesanal

Antónia Nelumba, secretária de Estado das Pescas

A produção artesanal de sal em Angola vai ser substituída pela industrial, segundo a secretária de Estado das Pescas, Antónia Nelumba.

Antónia Nelumba disse, na abertura de um Fórum Nacional consagrado ao produto, que decorreu em Benguela depois de um dia de trabalhos, que a produção nacional de sal está calculada em 40 mil toneladas por ano, sendo imprescindível que se altere este quadro, adaptando-o às condições naturais favoráveis disponíveis em Angola.

A secretária de Estado revelou que o consumo humano, animal e industrial de sal está calculado em 120 mil toneladas por ano, e que mais de 70 por cento dessa quantidade é importada.


A eliminação de doenças por insuficiência de iodo foi apontada por Antónia Nelumba como outro desafio da produção de sal em Angola, depois de as autoridades terem assumido esse compromisso na Conferência Mundial da Criança realizada em 1999, em Genebra. As doenças relacionadas com a falta de iodo são o bócio, abortos espontâneos, atraso mental e impotência sexual, incidindo, em Angola, nas províncias do Huambo, Lunda-Norte e Sul, Moxico, Bié e Kuando-Kubango.   
 
Dados disponíveis no fórum indicam que o Executivo está a dar grandes oportunidades para manter os empresários firmes na produção do sal.


in Jornal de Angola de 21.10.2013


Sem comentários:

Publicar um comentário